Blog

Carro Pipa é coisa do passado em propriedade rural de Garanhuns

Agricultores que aderiram ao Projeto Águas de Garanhuns passaram a ter água abundante em sua propriedade


29 Fev 2016

Carro Pipa é coisa do passado em propriedade rural de Garanhuns

José Alves das Neves e Lúcia Betânia, casal de agricultores e moradores do Sítio Cruz no distrito de Miracica, zona rural de Garanhuns, comemoram a chegada de água em sua propriedade rural. Isso porque, apesar de terem outra propriedade com uma nascente, a distância em que ela se encontra os impedia de usufruir da água que de lá minava, dependendo, única e exclusivamente, de outra precária rede disponível. Mas, a seca castigou a região e o reservatório secou e a única saída para eles foi optar pela tão tradicional cultura do carro-pipa. Consciente da situação dramática do Sítio Cruz e de outras propriedades inseridas tanto na bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Meio quanto no Rio Mundaú, o Projeto Águas de Garanhuns, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, entrou em ação em 2014 selando uma parceria com os proprietários para viabilizar a disponibilidade de água em suas propriedades. Esta parceria consistiu na cessão, por parte dos proprietários, de uma pequena área de suas terras para a preservação ambiental. No caso do Sítio Cruz, os proprietários destinaram uma área próxima à nascente de 3,48 hectares que foi submetida a plantios de árvores pela equipe do Projeto no decorrer destes dois anos. O engenheiro agrônomo e técnico de campo do Projeto, Petrônio Lemos, comenta que o reflorestamento destas áreas é importante para o reabastecimento dos mananciais de águas subterrâneas como forma de sempre ter água disponível, mesmo em períodos de seca. Ainda como contrapartida, o Projeto Águas de Garanhuns viabilizou a implantação de poços de captação de água da nascente da propriedade do Sítio Cruz e uma adutora, com cerca de 5 km de extensão, encurtando a distância entre a nascente e a parte produtiva da propriedade para a aquisição da água. José e Lúcia se dizem satisfeitos com a atuação do projeto, que veio a trazer benefícios não só para eles, mas para mais de 150 famílias que moram nas proximidades. “Está valendo a pena! Garanhuns precisa de mais projetos assim”, afirmou José Alves quando perguntado sobre a viabilidade dos trabalhos em sua propriedade. O coordenador do projeto, Marcos Renato Mattos, mostrou sua satisfação ao ver a água jorrando com força nas mangueiras da propriedade e acredita que se o casal de agricultores continuar a preservação ambiental, a natureza retribuirá, podendo não ter mais problemas com a falta d’água para o uso doméstico, irrigação das culturas e a lida do gado. Para ele, o Projeto Águas de Garanhuns atende as expectativas de viabilidade econômica dos agricultores bem como corrobora com a sustentabilidade ambiental das propriedades. “Sem dizer que é capaz de eliminar esta cultura da dependência do uso de carros-pipa por parte de produtores que são comprometidos com o meio ambiente”, menciona entusiasmado.


 


Texto: Lucilene Simões e Walter Leal


Revisão: Marcos Renato Franzosi Mattos

Patrocínio

Executora